terça-feira, 16 de março de 2010

Camomila

Esta delicada composta encontra-se muito disseminada por toda a Europa. Existem várias espécies diferentes, todas elas pertencentes à família das asteráceas, das quais as mais comuns são a margaça-das-boticas, também apelidada de camomila-alemã, e a camomila-romana, mais conhecida por macela ou marcela.   

Taxonomia
Nome latino: Matricaria chamomilla (L.)
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Asterales
Família: Asteráceas
Identificação: Planta herbácea que pode atingir cerca de 40 cm de altura. De folhas glabras, verde-acinzentadas e muito recortadas, fazendo lembrar o funcho. Apresenta pequenos capítulos com disco central proeminente e amarelo, rodeado por pequenas pétalas brancas. Muito odorífera.
Distribuição: Frequente em todo o território nacional. Floresce no início da Primavera em terrenos incultos mas também em terras cultivadas e nas margens dos caminhos.
Princípios activos: Azulenos (flores), flavonóides, ácidos fenólicos, matricina, α-bisalobol, matricarina.
Partes usadas: Flores
Usos: Tónica, antiespasmódica, sedativa e antinevrálgica.
Preparação: Infusão, água-de-camomila, tintura.
Curiosidades: Usada sob a forma de tónico, torna os cabelos louros mais brilhantes e dá reflexos ruivos aos cabelos escuros. Pode ser acrescentada a bolos, pães e compotas. 

  
Os campos onde habita, adquirem subitamente a alvura da neve...


Imagens: Campo de margaça, Assenta, Torres Vedras.

Sem comentários:

Enviar um comentário