segunda-feira, 19 de abril de 2010

"Campos de Cinzas" - O Asfódelo

Flor da Morte, flor dos mortos; Hades ofereceu-a a Perséfone e a ela a consagrou. Homero fala-nos do asfódelo na Odisseia, associando-o à ressurreição. Por esse motivo, os Campos Elísios, morada infernal dos bem-aventurados, achavam-se atapetados pelas suas flores alvas levemente rosadas. Na Antiguidade Clássica, o asfódelo acompanhava os mortos na longa viagem para o submundo, ele era por excelência o alimento da eternidade. Encontramo-lo, ainda hoje, em lugares abandonados, cemitérios, eidos de esquecimento e de solidão.
Há muito que não o via. Descobri esta pequena colónia num ermal que gosto de visitar.


Taxonomia
Nome latino: Asphodelus fistulosus
Divisão: Magnoliophytas
Classe: Liliopsidas
Ordem: Liliales
Família: Liliáceas
Nomes comuns: Asfódelo, abrótea da Primavera, abrótega, tremoção.
Identificação: Esta planta monocotiledónea glabra, que cresce até cerca de 1 metro de altura, está a tornar-se cada vez mais rara. É facilmente identificável no início da Primavera, entre meados de Fevereiro e finais de Março, quando floresce. As suas corolas, de um branco ligeiramente ensombrado de rosa, formam estrelas de seis pontas com uma nervura central acastanhada que se prolonga pelas seis pétalas. O seu fruto é uma cápsula oval tripartida que contém um grande número de sementes pretas. Algumas das espécies de asphodelus geram tubérculos que, segundo Plínio, o Velho, eram assados sobre cinzas, embora a asfodelina seja algo tóxica. O seu odor, ora suave ora intenso, lembra o aroma do jasmim.
Distribuição: Existem cerca de 16 espécies na Europa e no Médio Oriente. Cresce em terrenos baldios, ruínas, cemitérios.
Princípios activos: Contém asfodelina (tóxica).
Partes usadas: Flores e frutos.
Usos: Durante a Segunda Guerra Mundial foi usado na panificação. As flores frescas são utilizadas no fabrico de queijo. Também usada em perfumaria.
Curiosidades: Na Córsega, no Dia de Todos os Santos, as flores de asfódelo são deixadas a arder sobre os túmulos, em lamparinas de azeite. O seu perfume, embora lembre o do jasmim, em certas alturas adquire um cheiro desagradável, o que se deve a uma defesa da própria planta contra o gado que, de outra forma, tentaria comê-la. Talvez este odor tão peculiar, a par do facto de esta planta crescer espontaneamente em cemitérios, levou a que na Antiguidade a associassem à decomposição e à morte. O seu nome deriva do Grego asphodelos que significa “aipo”.

Um fresco perfume desprendia-se dos tufos de asfódelos (...) Victor Hugo in Booz Adormecido

5 comentários:

  1. Asfódelos, Cons! Desconhecia o nome (um tanto ou quanto feio), mas sempre gostei muito das flozinhas - crescem no quintal da minha tia-avó :) Só nunca consegui fotografar sem casas por detrás...
    anne peacock (soou quase a virginia wolf)

    ResponderEliminar
  2. Constança, que linda fotografia do asfódelo, a flor que muda de aroma como protecção. É um aspecto bastante interessante, tal como um camaleão muda de cor e funde-se com o ambiente, também o asfódelo muda de característica, e esta mudança é muito interessante. Tal como a própria história da planta. Estou em Coimbra, como deves saber, e vou aproveitar para procurar mais um livro sobre botânica para ti. Na terra dos estudantes, decerto que encontrarei algo a teu gosto. Beijinhos da Mãe!

    ResponderEliminar
  3. Miss Peacock! Já calculava que o "anónimo" fosses tu! De facto "anne peacock" lembra "virginia wolf", ambos os apelidos correspondem a seres que partilham o espaço na grande super-divisão das eucarióticas, seres vivos cujas células são nucleadas. Desta categoria também faz parte o asfódelo... Com o hábito, o nome até se torna bonito! peixe-pavão

    Mãe, espero que estejas a gostar de estar em Coimbra. Um livrinho de botânica soa-me muito bem :)

    ResponderEliminar
  4. Estava procurando sobre flores com relacionadas a morte e achei seu blog. Seu artigo foi muito útil para uma pesquisa que estou fazendo p desenhar flores com essa simbologia! Adorei as informações e o blog no geral... e que flor linda!

    ResponderEliminar
  5. Heluiza, fico muito feliz por saber que pude de alguma forma contribuir para o seu trabalho. Nunca tive qualquer talento para desenho, por isso limito-me a fotografar, mas adoraria poder desenhar as plantas.
    Hoje publiquei outro post sobre iconografia fúnebre, mais propriamente sobre a alcachofra. A papoila também tem um significado semelhante. Sobre ela farei um post brevemente.
    Obrigada pelo seu comentário :)

    ResponderEliminar